Os Troteiros De Bande - Ourense - Galicia

A personagem do Entroido de Bande é o troteiro, disfarce de entroido, recuperado pelo povo depois de cerca de 40 anos, voltando às ruas em 1987 e consolidando a sua presença a partir do ano 2000. Deve o seu nome às gentes antigas que disfarçadas percorriam a zona norte do concelho, trotando, e, levando o Entroido por todas as aldeias. O sua ronda pelos aldeias começa logo após os Reis. Domingo e 3ªfeira de Carnaval são os dias em que se podem ver trotando pelas ruas de Bande.

A indumentária antiga consistia no envolvimento num cobertor ou uma capa adornados com ervas; levavam carantonhas de papelão feitas em casa, rodeadas de campainhas ou um chapéu decorado com postais e espelhos, provavelmente para se protegerem do "mau olhado", e, a cara coberta com tapetes bordados. Na mão levavam uma vara e percorriam os caminhos metendo-se com as mulheres e os velhos. Gozavam de impunidade e faziam uso dela com algumas atitudes mais atrevidas como o levantar as saias às mulheres, o que fazia com que os moços não resistissem à tentação de se tornarem troteiros.

O traje evoluiu e atualmente os homens usam camisa e calças (tipo ceroulas) brancas enfeitadas com fitas coloridas, as calças são ainda adornadas por um fita de franjas vermelhas ao longo da perna. Em laia de capa, um pano de renda cobre-lhes as costas. À cintura, um cinto de chocalhos com que alegram o trotear e afastam os "maus espíritos". Usam sapatos ou chancas negras e polainas por cima das calças. Na cabeça o chapéu de palha decorado com os postais e espelhos e a cara coberta por um pano de renda, na mão a tradicional vara comprida. O traje das mulheres é semelhante, podendo substituir as calças por saias e incluindo uma pequena bolsa de renda a tiracolo e luvas brancas.