Entrevista com o Presidente da Juntar de Freguesia de Lazarim,
Noberto Carvalho

Por André Lopes

Q: O que significa o Entrudo de Lazarim para a Freguesia?

R: Uma tradição que permite o extravasar de emoções, de sentimento e sabores; em que se partilha toda a nossa intimidade pessoal e comunitária, símbolo emblemático da nossa identidade cultural.

Q: Tem sentido o apoio necessário da parte das entidades oficiais? O que falta?

R: Infelizmente os apoios têm sido escassos. O Entrudo de Lazarim justificava uma maior participação das entidades oficiais locais e regionais. O que não tem acontecido, a não ser algum apoio da Câmara Municipal e da Delegação Norte do Ministério da Cultura, que é muito aquém da grandeza destas festas, até porque estamos a falar do Entrudo mais genuíno de Portugal. O nosso Entrudo é assim denominado pela Comunicação Social e uma das festas tradicionais que mais atraem as televisões levando o bom-nome de Lamego aos mais diversos cantos do país e do mundo. Só por isto se justificava um maior empenho de todos.

Q: Que contributo poderá trazer ao desenvolvimento económico local?

R: Numa região profundamente rural, onde se fazem sentir imensos problemas socioeconómicos e em que a desertificação humana cada vez mais se faz sentir, eu aponto organizações como o Entrudo de Lazarim, verdadeira força da natureza, como capazes de enfrentar esta corrente socialmente descaracterizada e decadente do interior do país.

Q: E serviu para desenvolver algumas infra-estruturas?

R: Infelizmente as infra-estruturas da Freguesia são poucas, as que existem são rudimentares e os acessos são particularmente difíceis e sinuosos. Pretendemos também criar um centro interpretativo incorporado com um centro de dia para idosos, oficinas artesanais, e um local de exposição e comercialização dos trabalhos ali realizados. Gostaríamos ainda de proceder ao arranjo dos açudes mais próximos da Vila, para criarmos espaços de lazer integrados na paisagem ambiental desta Freguesia.

Q: E na função social, vê a população empenhada e motivada nesta tradição cultural?

R: É um acontecimento cultural profundamente marcante. Estas tradições ancestrais, pela sua singularidade e originalidade, provocam nas gentes de Lazarim um entusiasmo, na sua realização pessoal e cultural, incomparável com qualquer outra tradição na região.

Q: Como perspectiva o futuro do Entrudo de Lazarim?

R: Graças ao aproveitamento das nossas tradições culturais é hoje possível atrair um turismo de qualidade, capaz de encher as unidades turísticas rurais existentes na região, valorizar a nossa gastronomia e os nossos produtos regionais. Será através destas potencialidades socioeconómicas que se poderão reduzir as assimetrias, entre o interior e o litoral, e valorizar a nossa sociedade, que pretendemos seja cada vez mais igual e mais justa.
◄ Voltar a todas as Entrevistas